Follow by Email

sábado, 22 de dezembro de 2007

QUEM SOU?

QUEM SOU?
Uma máquina com cabeça , tronco e membros? Não, essa é apenas uma forma de existência comum a vários viventes deste mundo material. Não pode ser identidade de ninguém! Sou, sim, uma série de sentimentos, variantes, que se manifestam nessa forma bruta, nessa máquina de cabeça, tronco e membros. Então, na verdade, meu ser verdadeiro não é palpável, é energia que se manifesta neste mundo bruto de matéria.
Assim sendo, é imprescindível, para que tenha domínio sobre mim mesma, que conheça completamente esse ser invisível, energético que sou eu. Claro está, que voltada minha atenção para o ser bruto aparente, o invisível se torna desgovernado, agindo variantemente, sem limite, a ponto de prejudicar a parte bruta, que passa a agir de forma inconsciente e prejudical a si mesma, às demais e ao meio-ambiente em geral.
Portanto, o normal, o natural é o mundo invisível comandando o visível.
A maioria esmagadora desconhece isso, valorizando a matéria, que nada é.
Vivem apegados às aparências, deixando completamente desorganizado o seu mundo invisível individual.
Não sabem que o pensamento e a imaginação são partes brutas do nosso cérebro, máquinas receptoras de forças positivas e negativas da nossa própria natureza invisível. Recebem elas tudo do mundo invisível, de bom e de ruim: sentimentos, desejos, inspirações, idéias, intuições, projetos, invenções etc.
E como filtrar tudo isso, deletando o que é prejudicial a mim mesma, a tudo e a todos que me cercam? Como saber impor o limite certo para estar em harmonia comigo, com tudo e com todos (a harmonia com a natureza)?
Isso só é possível conhecendo a razão do mundo em que vivemos, que naturalmente não se encontra na matéria bruta, no mundo aparente e, sim, na sua causa, que, analogamente ao ser humano, tem seu mundo invisível paralelo.
Daí, a importância VITAL de conhecermos A VERDADEIRA ORIGEM DO UNIVERSO, A VERDADEIRA ORIGEM DA HUMANIDADE, A VERDADEIRA ORIGEM DE TODOS OS SERES EXISTENTES NESSE MUNDO MATERIAL.
Isso conhecido, encontramos uma dualidade implacável: o BEM e o MAL, que cientificamente são, respectivamente, a ENERGIA ELÉTRICA e a ENERGIA MAGNÉTICA.
Aí adentramos no campo energético, mundo paralelo ao nosso, o ELÉTRICO e MAGNÉTICO, onde reinam as experiências para o bem ou para o mal, que regem e dominam os seres humanos através das irradiações, positivas ou negativas e que fazem dos seres humanos verdadeiros robôs, para o bem ou para o mal. Mas, relativamente a esse "bem", não é ainda o bem verdadeiro. Por quê? Porque se verdadeiro fosse já teria, há muito dominado e extinguido o "mal". No entanto, o mundo é velho e continua com as mesmas lutas, guerras, discórdias, enfim, o mesmo desequilíbrio de outras eras, porém, com outras roupagens.
Visto está que esse mundo paralelo ELÉTRICO e MAGNÉTICO, com naturezas tão opostas, é um mundo em desequilíbrio, um mundo experimental, ou seja, espiritual, que também, vive de experiências, por não conhecer sua ORIGEM VERDADEIRA, sua razão de ser.
Esse mundo experimental (ou espiritual) é que comanda o mundo visível, através das duas entradas em nosso cérebro: a máquina do pensamento e a máquina da imaginação.
Voltemos então à questão?
E como robôs dessas irradiações espirituais, elétricas e magnéticas, como filtrá-las conseguindo limitar a ação delas de forma a vivermos equilibradamente em harmonia com tudo e com todos.
Sobre isso, falaremos amanha.

Nenhum comentário: