Follow by Email

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

O PORQUÊ DESTE MUNDO?


A pergunta acima, bem como as demais formuladas na postagem inicial deste blog em 21.12.2007, serão respondidas com o texto a seguir.
Antoine Laurent Lavoisier (Paris, 26/08/1743 – 08/05/1794) provou que “nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”. Mas... ficou a pergunta: por quê e para que?
Já o ilustre Albert Einstein (Ulm, 14/03/1879 – Princeton, EUA, 18/04/1955), físico de origem alemã, naturalizado norte americano, prêmio Nobel de física em 1921, provou que nós vivemos em um oceano elétrico e magnético, ou seja, que tudo é energia elétrica e magnética transformada em seres de diferentes formas e funções. E essa dualidade, elétrica e magnética, de fato está presente em todo o universo, senão, vejamos: macho (elétrico) versus fêmea (magnético); positivo (elétrico) versus negativo (magnético); yang (elétrico) versus ying (magnético); dia (elétrico) versus noite (magnético). E se continuarmos a catalogar tudo existente neste universo em que vivemos, resumiremos esse tudo em dois pólos: elétrico e magnético, que são opostos, exercem força de atração um sobre o outro, mas, não se misturam, mantendo sempre cada um a sua natureza diferente, por isso, não se somam. Porém, qual a origem dessa força elétrica e magnética? Por que surgiu? Como se deu sua formação? Neste ponto ficou paralisado o trabalho de Einstein. A ciência sabe muito bem que a descoberta da origem do eletromagnetismo é a resposta para a origem do universo em que vivemos e, conseqüentemente, a desmistificação da origem da humanidade. Essa, por sua vez, é a solução de todas as questões universais e a solução do equilíbrio dos seres humanos. Equilíbrio esse que nunca se realizou, embargado que ficou pelo mistério do eletromagnetismo. Razão porque o mundo sempre foi e continua sendo de lutas e guerras: uns contra os outros, destruindo uns aos outros. E a paz verdadeira? Essa sempre muda ficou!
Ora, sabemos muito bem que não existe efeito sem causa. A causa do filho, por exemplo, é o pai, pois não há filho sem pai. O filho pode até desconhecer seu pai, mas sabe que existe em algum lugar ou existiu um homem, cujo espermatozóide fez possível a geração dele, filho.
Portanto, assim como tudo tem uma causa, uma origem, este mundo em que vivemos também tem a sua causa, a sua origem. Existe, de fato, um mundo superior que deu origem a este em que vivemos. E como tudo isso começou? É o que vamos resumir a seguir e que está contido, com riqueza de detalhes, em 1006 livros, intitulados UNIVERSO EM DESENCANTO, onde está condensada a CULTURA RACIONAL, a Cultura do Desenvolvimento do Raciocínio (também conhecido como Glândula Pineal ou Epífise, localizada no istmo do mesencéfalo). Antes de ser o que somos, corpos elétricos e magnéticos, o que éramos? Éramos corpos de massa cósmica pura, limpa, perfeita. Vivíamos onde? Num mundo eterno, onde a energia é também pura, limpa e perfeita, ou seja, RACIONAL, não variante, por não existir nesse mundo nem eletricidade (positivo aparente), nem magnetismo (negativo). Por isso, um mundo onde não existe a lei da transformação, porque é pleno, totalmente equilibrado. Daí ser denominado MUNDO RACIONAL, ou PLANÍCIE RACIONAL.
Então vamos iniciar a verdadeira história da humanidade.
Há 21 eternidades atrás (cada eternidade tem um número incontável de anos), uns tantos habitantes da PLANÍCIE RACIONAL, resolveram adentrar em uma pequena parte da PLANÍCIE, que não estava pronta para o progresso (o progresso de pureza que é desenvolvido na PLANÍCIE RACIONAL). Foram avisados que não deveriam adentrar nessa parte, mas quiseram adentrar assim mesmo. E lá, sendo um mundo de pureza, não há coação à liberdade.
Assim, aquela parte não estando pronta, ou seja, apesar de pura, limpa e perfeita, não estar em progresso Racional, houve uma troca de energia, não tendo condições de suportar a energia dos habitantes que lá adentraram. Essa parte, então começou a deslocar da origem. Ao se deslocar, desligou-se do MUNDO RACIONAL.
Quando aqueles habitantes deram pelo deslocamento, quiseram retroceder, retornar ao MUNDO RACIONAL, o que não foi possível, em virtude do deslocamento. Nesse ponto, uns tantos resolveram paralisar aquele progresso formando, então, o ASTRAL SUPERIOR. Os demais resolveram continuar progredindo. Nessa continuação do progresso é que começaram a perder as virtudes, essas se reunindo em foco de luz fosca prateada que, mais tarde, deu origem ao que hoje é o sol. Depois de iniciada a perda das virtudes, e o início da formação do sol, houve, assim, o desligamento do ASTRAL SUPERIOR. Novamente, uns tantos resolveram interromper o progresso, quiseram retornar ao ASTRAL SUPERIOR, mas não puderam, já havia sido feito o desligamento daquele campo energético. Esses que paralisaram o progresso nesse estágio, vieram a formar o ASTRAL INFERIOR. Veja bem, os habitantes do ASTRAL SUPERIOR, apesar de terem sido desligados do MUNDO RACIONAL, não perderam as suas virtudes. Apenas ficaram sem a ligação ao MUNDO RACIONAL. Por conseguinte, são corpos de energia pura, limpa, mas, não perfeita, por faltar a ligação ao mundo de origem, o MUNDO RACIONAL. Foi assim formado o campo de energia denominada ENERGIA MEDIADORA CONSCIENTE. Já os que perderam as primeiras virtudes, dando início à formação do sol, que hoje, depois de totalmente deformado, é o pólo elétrico e magnético, esses, então, ficaram sob o comando e dependência desse pólo, completamente trancados, sem qualquer possibilidade de retorno, deformando-se cada vez mais, porque o foco de luz ia esquentando e deformando tudo. Ficaram submetidos a esse pólo que se tornou, com o tempo, um pólo elétrico e magnético, que é o sol. Tornaram-se, então, corpos elétricos e magnéticos invisíveis. São os chamados espíritos (outros dão nome de anjos, santos etc.), mas, na verdade, são corpos de energia elétrica e magnética e são eternos. Da parte elétrica, os bons (que é o bem aparente, pois são deformados) e da parte magnética, os maus. Bem, continuando no longo histórico da nossa formação e criação, novamente os demais, que não quiseram paralisar o progresso, continuaram a progredir por conta própria até se extinguirem completamente, perdendo todas as virtudes, desligando-se do ASTRAL INFERIOR, e se ligando na goma (que se tornou água) e na resina (que se tornou terra). Deu-se então a formação da matéria com dois pólos. Positivo, os que se extinguiram e se materializaram na goma (o macho) e negativo, os que se extinguiram em cima da resina (a fêmea). Todos corpos elétricos e magnéticos materializados, sem qualquer possibilidade de retorno à sua origem, o MUNDO RACIONAL.
Uma explicação. A energia pura, limpa e perfeita daquela parte da PLANÍCIE que não estava pronta para entrar em progresso, com o deslocamento começou a se deformar e degenerar, transformando-se numa goma, que se transformou em líquido e, mais tarde se tornou água. Enquanto goma, dela começou a sair uma resina, que com a deformação provocada pelo foco de luz, foi esquentado, empolando, torrando, virando cinza, o que hoje conhecemos como terra.
Assim, em resumo, temos três campos de energia, que são três naturezas distintas: elétrica e magnética (ASTRAL INFERIOR), mediadora consciente (ASTRAL SUPERIOR) e RACIONAL (MUNDO RACIONAL). Bem, a natureza, então, por estarmos fora do nosso estado natural, sendo elétrica e magnética, mediadora consciente e Racional, vem tratando, ao longo dessas 21 eternidades que já passamos, vem tratando de nos reconduzir à origem, ao estado natural de RACIONAL. Então, são três poderes trabalhando para isso, de baixo para cima: o ASTRAL INFERIOR, O ASTRAL SUPERIOR e o MUNDO RACIONAL.
Amanhã continuaremos este assunto.

Um comentário:

dênisonsnetto disse...

Salve! Ótimos Textos com Propaganda da Cultura Racional, Parabéns.