Follow by Email

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

CHORA A MÃE NATUREZA!


Estamos mergulhados num mar de lama, que é a matéria.
O atraso, a falta de conhecimento da vida, fazendo com que valorizemos esse mar de lama como um mar de flores.
E é tão grande essa cegueira (porque todo atrasado, cego é), que invertemos o valor real da vida, tornando-o nossa própria morte.
Numa reflexão sobre os últimos acontecimentos dramáticos na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, chega-se à conclusão da iniqüidade da nossa civilização.
Uma civilização que se perdeu pelas aparências, civilização essa que foi criada arduamente pela Natureza Mãe, não para exaltação da matéria, mas, sim, para o desprendimento dela.
O ser humano perde sempre, devido à vaidade de se sentir dono de sua vida e do mundo, ao invés de reconhecer sua impotência e nulidade ante a Força Maior, que é a Natureza Mãe!
As águas caíram, como uma avalanche de lágrimas da Força Maior, que é a Natureza Mãe, por se ver obrigada a liquidar seus próprios filhos, que resistem aos seus chamados de atenção para enxergarem além do transitório e passageiro, que é a vida material.
E no mar de lama e de dor em que se transformaram as cidades serranas, lá ficou patenteado o desgosto de uma mãe zelosa, mal entendida, mal compreendida e muito mal amada.
Quantos choros mais serão necessários dessa Mãe Querida, responsável e benfeitora, que é a Natureza, para acordar esses infantes filhos que, incontinentes na idolatria material, ainda se acham no direito de questionar esse desabafo sofredor de uma Mãe que só faz amar, a troco da ingratidão?
Não é hora de pedir socorro!
Não é hora de reclamar, de chorar e muito menos de implorar!
É hora, sim, de pedir perdão à nossa Mãe Querida, que é a Natureza!
Hora mesmo de se envergonhar de tudo de inconseqüente que essa humanidade tem insistido em perseguir, ao invés de investir no amor ao próximo como a si mesmo e fazer o bem sem olhar a quem!
É exatamente aí que se encontra o nosso erro, onde o pensamento e a imaginação, ludibriando-nos através dos sonhos, das fantasias e das ilusões, vão conduzindo, sorrateiramente a humanidade ao culto do artifício e ao desprezo do natural.
A vida é boa, a vida é bela, quando voltada para o engrandecimento do ser e a desvalorização do ter.
Mas, a humanidade, julgando-se merecedora daquilo que não deva ter, cultua a prosa, a aparência, o egoísmo, a ambição e a ganância, passando por cima da VERDADE e alimentando a mentira para regalo de suas conveniências.
E o que é isso?
Atraso.
E o que é o atraso?
Falta de conhecimento verdadeiro da vida, falta de harmonia com a Natureza Mãe.
E quem são os culpados de tanta ignorância e falta de saber?
Os que não fazem caso do conhecimento que já na Terra está, onde, à disposição de todos indistintamente, há 75 anos, a Mãe Natureza vem transmitindo quem somos, de onde viemos e para onde vamos.
Chega desse atraso!
Chega dessa ilusão com tudo que parece ser e não é!
Chega desse encanto!
Acorda, minha gente!
Procurem estudar Universo em Desencanto!


www.universoemdesencanto.com.br
www.encontroracional.com.br
www.nalub7.wordpress.com.br

Um comentário:

Juliana Barros disse...

Salve Nágea!

Que excelente divulgação! Texto na medida certa e oportuno =)

Abçs querida irmã!