Follow by Email

quinta-feira, 14 de abril de 2011

UM ABSURDO DE VIOLÊNCIA


A natureza é que governa tudo e todos e por assim ser temos as quatro estações diferentes no ano, as épocas e o tempo disso daquilo ou daquilo outro.
O poder natural da natureza é quem governa tudo, todos os seus feitos, regulando-os.
Todos os feitos são joguetes naturais da natureza porque são comandados e orientados por ela.
Assim como tem as plantas venenosas e as árvores venenosas, também tem criaturas completamente venenosas, avessas por completo ao bem, tal qual um vegetal venenoso.
Assim como tem plantas ruins e boas, tem criaturas ruins e boas, são os feitos da natureza, por assim ser, já é o natural de sua própria formação.
Assim como são os vegetais, são as criaturas, e de forma que existem vegetais de uma infinidade de espécies, também existem as criaturas de uma infinidade de espécies.
Existe o vegetal com espinho e com veneno, existe o ser humano nas mesmas condições com uma natureza de uma árvore de espinhos e de uma árvore com veneno, uns nascem para espetar e outros nascem para envenenar, portanto só possuem feitio de gente, mas avessos a tudo que é de bom.
Tem as flores venenosas, tem as flores mal cheirosas, tem as flores de bom perfume, e assim como tem o vegetal bom, tem o vegetal ruim. E como já é da formação natural, tem as criaturas boas, dóceis, boníssimas e tem as criaturas maléficas, assim sendo, é importante saber discernir entre o vegetal bom e o vegetal ruim, e ter a mesma aplicação nessa referencia no que tange as criaturas.
Por a natureza ser deformada, é que houve toda essa desigualdade nessa deformação.
Numa deformação, tudo é diferente, o inserir é de aparências, e as aparências não são verdades, enganam muito! É preciso que se conheça a vida e a natureza para não se deixar levar pelas aparências, pelas primeiras impressões.
As aparências iludem, têm pessoas que têm duas, três personalidades que compõem as degeneração e deformação Racional,
e de forma que, ninguém pode se julgar igual, por que todos são diferentes e tudo é diferente.
Os sentimentos, os procedimentos, os atos, cada qual tem o seu. Uns bons outros maus, pólos completamente diferentes.
É imprescindível que se conheça a natureza para não se iludir, não se impressionar, e nem deixar levar pelas aparências, porque o ruim sabe se apresentar como bom, porque os seus defeitos estão sempre bem escondidos, estão sempre ocultos no íntimo.
Daí o se conhecer torna-se o exato, porque o desenvolver do raciocínio é a busca do conhecer minuciosamente todas as reações comportamentais do ser vegetal, sem ter brigas e contendas no relacionar, porque todas as inconstâncias afloram e desnudam o negativo que já não pode ocultar os defeitos no seu intimo. Não têm mais aparências, se é bom é bom mesmo, se é mau, é mau mesmo, tudo se mostra como é.
E uma vez, desenvolvido o raciocínio, ligado ao Mundo Racional, que beleza, livre desses corsários, livre de viver em um mundo de uns contra os outros, no fazer inimigos gratuitos.
Afinal, o mundo provou, a vida provou o desequilíbrio da personalidade, a desvalorização do ser humano, fez a palavra cair no ridículo, daí o descrédito e a desconfiança, tornando a vida sem compostura, onde o respeito evaporou da mentalidade, e isso levou a humanidade
à descompreensão e ao desentendimento. Então quem conhece a vida dá o desconto a tudo, por isso é a favor de tudo e de todos, afinal sabe que o mundo, a natureza e os seus feitos são diferentes, portanto, de nada adianta ir contra a natureza de ninguém.
Se o bicho é veneno, é veneno puro, de nada adianta ir contra o veneno, por se tratar de um fator natural da natureza.
Isto aqui é uma deformação, a desigualdade impera sobre tudo e sobre todos e por isso todos são diferentes, a natureza é de dois extremos, e todos os seres são assim, variam e oscilam nesses extremos; portanto é preciso ter bom senso, um ótimo equilíbrio, e a percepção do que são os feitos dessa deformação genética, desse descontrole e malabarismo natural da natureza, porque ninguém tem culpa de ser como é.
Ninguém é culpado se ser como é, e sim a natureza deformada que nos fez.
O veneno não tem culpa de ser veneno e sim a natureza; e assim é tudo e todos. O fator de ser assim, dessa ou daquela forma, é um fator natural da natureza, a razão de tudo e de todos serem como são.
Uma vez conhecendo o que são de onde vieram, para onde vão, pela Fase Racional, a fase do verdadeiro equilíbrio de todos, estão salvos de todas as torpezas, afinal, amadureceu pela lapidação e entende e compreende tudo e todos por isso vivem ligados e amparados pela Fase Racional.
Estude o livro Universo em Desencanto – Livro de Cultura Racional.
Programa a Voz Racional – Radio Tropical 830 AM . 07/04/2011

www.culturaracional.com.br

www.encontroracional.com.br

Nenhum comentário: