Follow by Email

segunda-feira, 29 de julho de 2013

A SUPREMACIA DA NATUREZA

O animal Racional, por não se conhecer, vive a sofrer – e uns se julgando melhores do que os outros, quando todos são sofredores.
Aí, inventam filosofias, ciências, seitas, doutrinas, religiões e seus desdobramentos, onde os divertimentos para se distraírem nunca faltam (e um distraído é um perdido).
Tudo isso na busca do sossego que não encontram, aumentando o sofrimento, por viverem em lutas constantes uns contra os outros, para que suas ideias prevaleçam sobre as demais, numa disputa infernal.
De repente vem a Natureza, o estado maior do Universo, e com apenas um terremoto, um vulcão, uma enchente ou similar, coloca abaixo indústrias, templos, escolas, casas de diversões e tudo mais que os viventes criaram artificialmente na busca da paz e do sossego.
Não sabem que o artifício é contra o natural. E sendo contra o natural, é contra a Natureza. E sendo contra a Natureza, não pode o artifício levar à paz. O artifício só produz sofrimento. E sofrimento é lapidação e, não, libertação.
Portanto, ninguém pode com a Natureza que, quando quer e é preciso, em fração de segundos ela coloca fim em qualquer pensamento.
Por quê?
Porque a fase do pensamento terminou, faliu e está em liquidação, de tanto mal que criou contra a própria Natureza e todos os seus feitos.
E em falência e liquidação também estão todos os pensadores.
Por isso, para o bem de todos, é preciso que todos conheçam o RACIOCÍNIO, na cultura natural da Natureza, a Cultura Racional, para poder entender, compreender e aceitar a SUPREMACIA DA NATUREZA, por estar a Natureza ligada à SUPREMACIA SUPERIOR, que é DEUS, um ser RACIONAL e, não, animal, mas, um RACIONAL SUPERIOR aos RACIONAIS materializados aqui na Terra como animais Racionais.
Somente conhecendo e desenvolvendo o RACIOCÍNIO, alcançaremos a verdadeira paz, o verdadeiro amor, a verdadeira fraternidade e a tão sonhada CONCÓRDIA UNIVERSAL.
Pesquisem sobre o RACIOCÍNIO (glândula pineal) nos Livros de Cultura Racional, Universo em Desencanto.

Nenhum comentário: