Follow by Email

quarta-feira, 1 de julho de 2009

A CAUSA DESTA EPIDEMIA MUNDIAL DE VIOLÊNCIA


INTRODUÇÃO

De 1935 para trás era a Fase do pensamento. E de 1935 para cá, é a Fase do raciocínio.
Estamos falando de Fase natural da Natureza de todo esse Conjunto de Energias deformadas e degeneradas, transformada em Seres desta vasta biodiversidade.
Que é a composição deste Mundo universal perecível, desta totalidade em transformações sucessivas, onde estamos.

E quando esta Natureza mudou de Fase, entramos em um outro estágio da evolução antropológica que, já no seu início, vem apresentando fortíssimo impacto na natureza humana.

Deu-se que, terminou a Fase do Animal Racional no século passado, em 1935. Até então, a Energia que regia a evolução natural da Natureza era a Energia Animal, uma dualidade de composição energética elétrica e magnética.

E a Energia Racional, a 3ª Energia que compunha a natureza humana, era uma força neutra, latente; porque, a humanidade estava sob o comando das duas energias (elétrica e magnética) que sempre centralizaram, em seu estado vibratório poderoso, a regência de todos os seus feitos aqui existentes em todas as classes viventes. Todos éramos governados através do pensamento e da imaginação na Fase anterior.

OUTRA ENERGIA COMANDANDO A NATUREZA

Tendo ocorrido a mudança de Fase, então quem está comandando a Natureza agora, é a Energia Racional. E, em função disso, houve uma comando-descentralização. A Energia Animal passou a reger o irracional e não mais o Animal Racional dentro desta Fase Racional. De forma que, o Animal Racional ficou sem Fase.

Isso, na prática significa que, a Energia elétrica e magnética continuou governando a natureza do animal irracional mas, houve o embargo no que diz respeito à classe do Animal Racional.

De sorte que, a natureza humana mudou para a Fase do desenvolvimento do raciocínio, que é essa Energia Racional que, todos a temos (materializada) dentro da cabeça, no istmo do mesencéfalo.

Acontece também, que a humanidade estava vivendo artificialmente, e por isso, ninguém dentre nós pode sentir a referida mudança de Fase natural da Natureza.

O IMPACTO DA MUDANÇA

Então, ficamos todos à mercê de uma avalanche incalculável de descalabros e tormentas em todas as esferas da vida humana:
• Física, moral e financeira; tanto no âmbito pessoal, quanto no social.
A civilização do 2º milênio, ela vinha buscando pela expansão da instrução entre os povos, encontrar um ponto de estabilidade harmoniosa entre todos no Mundo. Observando limites, reconhecendo direitos, apurando o sentimento de fraternidade, se empenhando em busca da tão sonhada perpetuação da paz mundial.

Mas, com a mudança de Fase, o pensamento da classe do Animal Racional, deixou de ser alimentado pela Energia animal e proporcionou esse grande equilíbrio que estamos assistindo no Mundo inteiro. Olhem só o desrespeito a tudo e a todos. Olhem só, todos atarantados, como o Ser Humano ficou desumano. Olhem só, todos embrutecidos, mais materialistas. Olhem só essa violência absurda subjacente nas atitudes e exposta nos atos e procedimentos. Olhem só a epidemia de monstruosidades.

Terminou a Fase do pensamento, da inspiração, da intuição, da imaginação, do amor ao próximo como a si mesmo, terminou a Fase espiritual. Terminou o ânimo da Fase anterior. E por terminar o ânimo, veio o desânimo em muitas camadas. Veio o desânimo da juventude, porque com a paralisação do pensamento faltou força de propulsão para romper a inércia de desalento entre todos.

No terminar a Fase do pensamento, ficaram todos diferentes e bem diferentes do que eram de 1935 para trás, de quando o pensamento se preservava mais equilibrado. Eram tempos que existia a vergonha e o respeito, a ordem e o equilíbrio moral; existiam as sólidas amizades. Não é que não existisse desrespeito e desequilíbrio e sim, de que nada disso era cultivado pela tábua de valores.

Vejam como, dantes, tudo era muito pensado, ponderado e então,
decidido. E olhem só como não se medem mais conseqüências do impacto das ações praticadas. Houve a perda do tino e as mentes aceleraram-se nos desatinos sem freios, cada vez mais ferozes.
Como se ninguém repensasse mais para fazer coisa alguma, vai fazendo e pronto. E os resultados, tão desastrosos que, bem..., destes nem é preciso falar, estão aí estampados nos noticiários diuturnos. Essa onda avassaladora de violência.

OS CULPADOS

Não há efeito sem causa. Não há, por (o Ser) ser este. Porque é assim que a Natureza funciona. Diz a Cultura Racional que esta não é a primeira vez. Também foi assim, nas mudanças anteriores de Fase natural da Natureza. Quando muda o paradigma de funcionamento regente na Natureza, a humanidade sempre enfrenta um período de transição e adaptação.

Houve uma Fase de Monstros na mais primitiva evolução antropológica física, Seres Humanos de corpos gigantescos, de quando a Natureza era completamente outra.
Quando veio o findar daquela Fase, já existiam as selvas primitivas e uma porção de Selvagens vivendo aquela nova Fase que os Monstros que não assimilaram e não se adaptaram, foram extintos com o tempo, nas eternidades de Selvagens.

Assim também, nas eras mais primitivas das primeiras civilizações. Os Selvagens acostumados há muito com a sua Fase que estava se findando, tinham imensas dificuldades em se adaptar ao início do princípio desta civilização que, por isso mesmo, demorou muito para dar ignição. Houve várias Fases iniciantes até que a civilização decolasse. Tudo debaixo de muita luta e muitos abalos entre todos.

Depois, houve tempos da civilização astrológica. O mapa da astrologia que todos trazem nas palmas das mãos, a redação dos caminhos da passagem de vida provisória nas mãos de cada um. Tudo pronto e determinado pelos Planetas e os signos. Com o abandono da Astrologia, aquela Fase terminou devido a adoção de tábuas de valores artificiais que permitissem a expansão do livre arbítrio, cada vez com menor reconhecimento de limites. A instrução artificial, cada vez mais materialista e a tal ponto que, hoje, a matéria é tida como um santuário de nobreza e a vida humana, esta perdeu o valor.

Aqueles eram tempos sem registros, sem repórteres. Contudo, hoje tudo muito registrado; menos os movimentos das Energias que regem a Natureza, porque esse é um estado vibratório muitíssimo poderoso sobre todos e que ninguém pode ver. Nem mesmo através de meios artificiais. Sentem os efeitos; mas, não são capazes de apontar a causa básica: o fim da Fase do pensamento. E este é que é o marco real para o qual nos adverte o Conhecimento de Cultura Racional

Então, dizem muitos: ▬ “Ora, o pensamento está funcionando sim, debaixo de intensa atividade cerebral.”

De fato, o pensamento continua a funcionar; mas é um restinho de pensamento fazendo a mente vibrar em curto; exposto que está às transmissões da essência fluídica do mal (o magnetismo pesado) produzindo tantas confusões mentais que, não está mais adiantando quase nada, o pensar as coisas. Tudo acabando num dilúvio de discussões, sem solução definida e definitiva.

A atividade cerebral está comprometida, dentre outros fatores, devido ao artifício desastroso, prejudicial ao Ser Humano; como aí está a poluição de toda ordem ceifando vidas humanas, degradando a vida em um processo inconsciente de suicídio lento.
Tudo isto, porque o pensamento evoluiu tanto que, até passou dos limites do bem e enveredou pela parte nociva, que cria coisas para destruir a vida humana. De forma que ficou instituído na vida humana, o bem e o mal.

E com o término da evolução do pensamento elétrico e magnético, a Natureza deixou de alimentar o pensamento dos pensadores, vindo um progressivo estado de inanição das mentes. O enfraquecimento das mentes gerou o desrespeito às tábuas de valores da civilização.

O desrespeito generalizado produziu, no Mundo todo, essa epidemia de violência que assombra o Mundo.

Aí estão os atritos produzindo conflitos, revoltas, o terror, as guerras, a mortandade; enfim um processo de causação circular levando a violência a gerar mais violência. O Mundo atravessando a era do fogo, essa era de salve-se quem puder e se puder. Um brigueiro infernal.

A causa de tudo ter ficado desregulado, a causa do desequilíbrio de tudo, é por ter terminado a fase do pensamento. O pensamento parou de funcionar, porque terminou a sua fase:
pararam as mentes, parou a regulagem e ficaram desregulados e depois de desregulados, a violência. Depois que a fase terminou, todos completamente desregulados, porque na matéria tudo é assim: tudo que tem princípio, tem fim.

Mas, a humanidade vivendo artificialmente, nem deu por elas, ficou julgando que tudo termina, menos o pensamento. Achando que o pensamento seria eterno. Que todo dia após o outro, é tudo a mesma coisa; achando que não haveria mais evolução a acrescentar ao seu Aparelho Psíquico.

Terminou a função do pensamento, nascendo na natureza, por circunstâncias naturais
da sua evolução, a Fase de um novo conceito evolutivo natural da Natureza, a FASE RACIONAL. E para haver a normalização e o equilíbrio de todos e de tudo, tem que conhecer a Fase, que está em vigor, a FASE RACIONAL. E todos precisam conhecer a nova Fase, nos Livros de Cultura Racional.

O ponto final nessa onda mundial de violência, passa pela elucidação cultural Racional do raciocínio, para a Humanidade alcançar o equilíbrio de Razão Suprema. E daí vigorar a Paz, o Amor, a Concórdia e a União de todos universalmente, depois do raciocínio desenvolvido.

Para da FASE RACIONAL haver a mudança de todos para o seu verdadeiro mundo, o MUNDO RACIONAL. SAIBA MAIS SOBRE ISSO NOS LIVROS: UNIVERSO EM DESENCANTO; DE CULTURA RACIONAL.

Um comentário:

Ana Cristina Closet disse...

Boa tarde, recebi um panfleto no centro de SP e no mesmo há o seguinte trecho que diz:

"De 1935 para trás, o pensamento funcionava, então o equilibrio era mais ou menos, todos mais ou menos equilibrados, havia respeito a tudo e a todos e amor ao próximo."

Por mais que eu me esforce, não consigo concordar com o trecho acima, logo desconfio da teoria completa, pois muito antes e até em 1935 a humanidade já aprontava e muito, como exemplo a escravidão dos negros no Brasil e nesta ação de quase 400 anos não existia respeito e muito menos amor equilíbrio, desculpem, mas ao ver o panfleto e acessar o blog, eu não pude me omitir. Agradeço!