Follow by Email

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

TUDO QUE TEM PRINCÍPIO TEM FIM


(Prof. Porfírio J. Neves)
Eis uma grande verdade que todos devem considerar no dia a dia da vida prática! Como quem diz: “não há bem que sempre dure, nem mal que não se acabe”. Esta é a base para entendermos que neste mundo, nesta vida, tudo é provisório, tudo é passageiro. Tudo que tem princípio tem fim.

Então, onde reside a essência da Eternidade? Será que existe uma “Eternidade” onde nada tenha princípio e por isso nunca se acaba? Como podemos conceber algo que nunca começou e, portanto, nunca acabará?

É a mesma coisa que dizer que nada foi criado. Tudo sempre existiu, sem princípio e sem fim. A Eternidade é a mesma coisa que dizer incriado, nada se cria.

Deus é incriado! Os espíritos, como asseguram várias doutrinas espirituais, também são incriados. Portanto, a vida eterna é incriada também! Em resumo, o Mundo Racional é incriado.

Isto quer dizer Eternidade! Tudo sempre existiu e sempre existirá! Esta é a própria essência do Mundo Racional, de onde todos vieram e para onde todos vão.

A lógica da vida, neste mundo, também consagra este conceito da incriação. Nada se cria tudo se copia. O que chamamos de criação, nada mais é que uma transformação de algo que já existia. Nada se cria tudo se transforma.

Como então, algo que era eterno, passou a ter princípio e fim? Aí entra um conceito de progresso. O Racional Superior nos esclarece que no Mundo Racional existe o progresso de pureza dos habitantes puros, limpos e perfeitos, corpos de vida eterna, de massa cósmica pura, limpa e perfeita, corpos ovais, pequenos, mas de bom tamanho. Esta é a expressão que Ele nos relata no livro da Cultura Racional.

(*H-228 p-80) “Os corpos, no Mundo Racional, são de energia de massa cósmica pura, limpa e perfeita. São corpos completamente diferentes desses da deformação, desses corpos de bichos. São completamente diferentes. São de porte pequeno, não muito grande, e de energia, de massa cósmica pura, limpa e perfeita. Não são grandes, como esses corpos de bichos, dos bichos racionais. São corpos completamente diferentes, de energia, de massa cósmica pura, limpa e perfeita. E são eternos, porque são puros, limpos e perfeitos”.

Então, este é o conceito de eternidade que nos faz entender o Racional Superior: puros, limpos e perfeitos com seu progresso de pureza. Note bem: os corpos e o progresso destes corpos – RACIONAL QUER DIZER PUREZA. Esta é a essência da palavra RACIONAL! PUREZA!

O mundo onde tudo que tem princípio tem fim é o mundo originado e criado por um progresso indevido, um progresso fora dos limites. E, por passar dos limites, extrapolou a condição necessária da estabilidade natural; é como dizer que o progresso fora dos limites, que é um abuso, nunca trouxe bons resultados.

Assim é que o Racional Superior esclarece toda humanidade que a existência deste mundo é uma Deformação Racional, por ser um mundo onde o progresso deixou de ser pureza, limpeza e perfeição. Passou a ser progresso de uma deformação. É isso que quer dizer Deformação Racional – progresso além dos limites naturais.

Tudo que progride além dos limites naturais se deforma. Isto é muito claro, até mesmo nesta vida de matéria. E existe aí uma infinidade de exemplos que cada um se esclarece como pode e conhece. Eis a verdade: tudo que progride fora dos limites naturais entra em processo de deformação, porque ultrapassa os limites do bom senso e da capacidade natural. É assim nos nossos corpos; é assim na nossa vida; é assim nas nossas organizações sociais e meios de vida; é assim em todo o mundo.

Eis o principio que ocasionou que tudo que tem princípio tem fim. Tudo que tem princípio tem fim é porque passou de um progresso dentro dos limites para um progresso fora dos limites. Esta é a base que nos faz compreender que a Eternidade fora dos limites deixa de ser Eternidade, aparentemente, e assume um estado de deformação, ou estado de extinção, onde tudo se transforma de uma forma para outra.

E, no se transformar de uma forma para outra, aí está: tudo que tem princípio tem fim. Todas as formas que se criam dentro de uma Deformação Racional, quer dizer, onde tudo está progredindo fora dos limites, tudo manifesta a tendência natural de voltar aos seus próprios limites.

Assim, podemos conceber que a Eternidade não terminou! A pureza não terminou! Eternidade terminar seria um contra senso. A Eternidade ficou em estado de deformação. Mas, foi apenas uma parte do Mundo Racional, muito pequena, que ficou fora dos limites naturais. E isto se deu por conta de uns tantos habitantes do Mundo Racional. Como isto tudo se deu está esclarecido na leitura do livro Universo em Desencanto.

Esta é a justificativa Racional, com base e com lógica, que nos prova que nada foi criado, tudo vem sendo transformado. E quando as transformações se dão dentro de um progresso além dos limites, estas transformações têm princípio e têm fim. São transformações provisórias. É por isso que se diz que nesta vida tudo é passageiro.

Dentro dos limites naturais, não há princípio nem fim a ser considerado, porque nada se deforma. Esta pode ser uma maneira de entendermos o que é progresso de pureza. Progresso dentro dos limites naturais.

Naturalmente, o progresso de pureza não pode ser experimentado dentro da vida da matéria, pois a vida da matéria é uma deformação de origem Racional; a matéria é de origem da eternidade, porém a matéria não é eterna, por estar deformada. A matéria está em eterna transformação, até voltar ao seu estado natural, dentro dos limites de progresso da pureza.

Matéria é massa de energia cósmica deformada em matéria, porque está fora dos limites. Tudo que tem princípio tem fim.

Todo este contexto, com base e com lógica cristalinas, serve para desencantar aquela concepção de que Deus é o “criador de todas as coisas”, como se nada nunca tivesse existido. Por isso o conceito de criação do mundo ficou tão deformado como deformadas são nossas idéias de seres encantados pela ignorância, com esses querubins mal formados. E por isso ficamos todos perguntando a vida inteira: de onde viemos e para onde vamos? Como viemos e como vamos? Quem somos afinal?

Todas estas perguntas atestam que a narrativa da criação não tinha e não podia ter nenhum sentido lógico, pois a lógica da existência é a transformação. O livro Universo em Desencanto esclarece o ponto chave de tudo isso: é o progresso fora dos limites de uns tantos habitantes do Mundo Racional, que veio dar conseqüência a tudo isto que aqui está parecendo não ter solução, por ter se degenerado e deformado daquilo que era.

A narrativa da criação bíblica deixa transparecer que Deus não tinha uma “exata noção” do que estava criando, porque em todos os dias da criação está escrito: “e viu Deus que isso era bom”. Ora, se viu que era bom, até parece que Ele não sabia o que Ele estava criando.

E é isso mesmo! Uns tantos habitantes do Mundo Racional, progredindo por conta própria não tinham uma exata noção do que era o sofrimento e por isso é que demos conseqüência a este mundo de tão fraco gosto, por ser o mundo dos desgostos.

Portanto, criação se aplica muito bem à forma de viver, cada qual cria sua própria maneira de viver ou de sofrer ou de morrer. Cada qual cria para si a forma de viver, mas ninguém cria massa, nem tempo, nem energia. Do ponto de vista físico, nada foi criado. Tudo, neste mundo, foi degenerado e deformado do seu estado natural de ser.

Mas, tudo que tem princípio tem fim! Inda bem! Textualmente, o Racional Superior nos esclarece:

(*H-034 p-10) “Para ver que nessa deformação Racional, de matéria, tudo que tem princípio tem fim. Por que isto? Porque não são daí deste mundo deformado. Vieram aí parar por usar a vontade, por a vontade ser livre. Entraram por um pedaço que não estava pronto para entrar em progresso, começaram a progredir por conta própria, fazendo uso da vontade, por a vontade ser livre e aí está até hoje, como Animal Racional. E fazendo uso da vontade, por a vontade ser livre, como deseja fazer”.

Então, verifiquem que existe uma vontade, que é a verdadeira origem do abuso, da transgressão dos limites. E por isso o mundo é conseqüência dos seus próprios habitantes, ao contrário do que muitos ainda pensam que este mundo é manifestação da vontade divina. Este mundo não existe pela vontade divina, mas tão somente pela vontade de seus próprios habitantes.

A este respeito, o Universo em Desencanto é muito claro, a vontade divina está na ressurreição de toda a humanidade, nunca na criação desta humanidade sofredora e mortal. A vontade divina é que todos voltem, o quanto antes ao seu estado natural. A vontade divina não poderia nunca ser a de expor seus filhos ao sofrimento, como diz o testamento: “-E viu Deus que isso era bom”! Como assim? Dar princípio a uma coisa que vai ter fim? Isso é bom? Dar princípio a uma coisa provisória? Um puro, limpo e perfeito não cria coisas provisórias, cria coisas eternas.

É por estas razões mal apresentadas que o Racional Superior apresenta o histórico da verdadeira origem da humanidade, para toda a humanidade que quer se conhecer, no livro Universo em Desencanto.

E quando passa a conhecer, aí vai encontrar a real situação a que se submeteu.

(*H-033 p-73) “E quando chega a clarividência da Luz Divina Verdadeira é que os olhos se abrem e vê as trevas a que estava submetido e vê a LUZ lhe arrancar das trevas”.

Assim, cada um de nós passa a adotar a verdadeira ação e o verdadeiro julgamento da vida, como nos confirma o Racional Superior, neste julgamento de quem passa a se conhecer, quando passa a entender que o mundo é conseqüência de seus próprios habitantes.

(*H-034 p-11) “E de forma que não tem que se queixar a ninguém, a não ser a si mesmos, que são os causadores dessa deformação. Mas, por não conhecerem a verdadeira origem e a causa de assim serem, julgavam e pensavam que este mundo deformado tivesse algum arquiteto que arquitetasse esse mundo desta forma. Nunca teve! Os arquitetos são todos que aí estão fazendo uso da vontade, por a vontade ser livre”.

Meu amigo, minha amiga! Se este nível de esclarecimento não for suficiente para fazer de você um garimpeiro da verdade, então lhe resta apenas a desilusão fatal dos momentos que você nunca quer que aconteçam, mas eles acontecem: que é a morte e o sofrimento dos nossos entes queridos, porque tudo que tem princípio tem fim, dentro deste mundo encantado.

No mundo do desencanto, Mundo Racional, progresso dentro dos limites, tudo é eterno e é terna a alegria de vivermos com esta Luz Racional nos iluminando, pelo desenvolvimento do Raciocínio, na simples leitura, porém atenta, do livro Universo em Desencanto. É assim que podemos passar a viver no Mundo Racional.

(*) H = Livros dos Históricos de Universo em Desencanto
www.culturaracional.com.br
www.programaavozracional.com.br

Nenhum comentário: