Follow by Email

quarta-feira, 7 de março de 2012

(Porfirio J. Neves) “Existem mais corpos, ou vivos ou mortos, entre eu e você”! Esta é a primeira estrofe de uma música do cantor Ivan Lins que fazia sucesso na década de 1970, época em que muitas pessoas estavam começando a se ligar ao Conhecimento de Cultura Racional. A princípio, esta frase me chamava a atenção para a existência de seres invisíveis que viveriam entre nós! Ao começar a leitura do livro Universo em Desencanto, encontrei nesta palavra corpo ou corpos uma das mais difíceis análises para meu entendimento pessoal. É que a palavra corpo é empregada em muitos sentidos e descrições, como podemos perceber na descrição inicial do primeiro volume sobre a verdadeira origem da humanidade, de onde viemos e para onde vamos. “Então, esses corpos, que já estavam por vir se deformando, aproximavam-se da sua extinção, e a luz esquentando cada vez mais, e conforme esquentava, tudo ia se deformando até que, com o tempo, extinguiram-se todos os corpos Racionais; perderam todas as virtudes, vindo assim, a transformação desses corpos para outros corpos. Os que ficaram em cima da parte gomosa e ali se extinguiram, que ali ficaram, formaram, com o tempo, os corpos masculinos e os corpos que ficaram em cima da resina já deformada em cinza, geraram aí, outros corpos, surgindo o sexo feminino. Aí, os corpos ainda eram diferentes desses, como são.” “O foco de luz esquentava cada vez mais, a parte gomosa virando água, numa grande extensão, e esta água penetrando nesta cinza da resina, com o tempo a fez apodrecer, começando a gerar micróbios. Nesta altura é que começou a geração dos corpos. A água penetrou na cinza, apodrecendo-a, e apodrecendo também, diversas partes da goma, formando aí, pela própria natureza, os corpos completamente diferentes desses”. (Apodrecer quer dizer enfraquecer)! Dá o que pensar, dirão alguns! O emprego da palavra corpos aparece em situações diferentes: corpos dos Racionais puros, limpos e perfeitos – não temos nenhum referencial na matéria para alcançar o que é um corpo puro limpo e perfeito – estes corpos se extinguem na goma e na resina para formar outros corpos, os sexos masculino e feminino e, finalmente, quando a goma penetra a resina, começam a nascer os corpos do chão. Ora, o chão, a que se refere o Racional Superior também é um corpo de energia, porém já decomposto em goma e resina que vão se degenerando e dando origem à água e à terra. E assim se apresenta a causa e a origem do princípio deste mundo. A lógica nos assegura que para se formar um corpo, é necessário a existência da sua causa que é outro corpo. Um corpo se transforma em outro corpo. Um feito se transforma em outro feito. É por isso que se afirma que nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. A causa de um corpo é, necessariamente, outro corpo, enquanto que a origem de um corpo, ou agente causador, é a ação que transforma o corpo 1 no corpo 2. Temos aí causa e a origem. Mas ainda existe a base da origem, que é o mundo ou o contexto que dá causa à ação de transformar um corpo em outro corpo. Comparem a lógica das transformações com esta ilustração. A causa de um vaso é o barro. O barro é o corpo 1, o vaso é o corpo 2. Um corpo dá causa a outro corpo! Já a origem do vaso está nas mãos que modelam o barro para dar causa ao vaso. As mãos são o agente causador do vaso; então, a origem se resume na ação de transformar. A base da origem é o contexto que leva as mãos a modelar o barro para dar causa ao vaso. Por que as mãos modelam o barro em um vaso? Essa é a base da origem do vaso. E assim não há efeito sem causa. E o Racional Superior nos afirma: (*H-007 p89) “Coisa alguma é conseqüente de si mesmo; tudo existe a causa e a origem deste ou daquele feito. Coisa alguma se faz por si mesmo… Era o caso de dizer, se você existe então não houve quem fez você”? Daí, vem a análise de quem é você! Se você se entende como sendo um corpo de matéria, então a causa do seu corpo é um corpo anterior que é o espermatozóide, o corpo de um micróbio transformado em corpo de matéria. A origem do corpo de matéria está na ação de transformar o espermatozóide, o pingo d’água. E quem pratica esta ação? Como é esta ação? O pai e a mãe praticam a ação de transformar o corpo do espermatozóide no corpo de matéria que é você. Então o pai e a mãe são a origem do seu corpo de matéria, eles formam uma corporação, pois são eles que dão causa à transformação do corpo 1, sêmen, no corpo 2, embrião. Que este embrião depois vai crescendo e dando causa ao corpo de matéria. É uma sucessão de causas e efeitos. Agora, se você se entende como um corpo de energia eterno que está materializado em forma de máquina do Raciocínio, aí situação semelhante se faz com a comparação do embrião. A causa do corpo de energia tem de ser um outro corpo, à semelhança da semente que é o espermatozóide. Qual a “semente do corpo de energia”? No princípio, são os dois corpos, masculino e feminino, formados pela extinção dos corpos dos Racionais na Goma e na Resina: podemos dizer Raciocínio masculino e Raciocínio feminino, que são a origem dessa infinidade de “corpos de energia”, ou habitantes que se materializam em forma de máquina do raciocínio. O assunto é para ser estudado, dentro da mais pura lógica. Primeiro, devemos nos preparar para este entendimento, que é muito simples, a não ser quando nos baseamos em suposições sem base e sem lógica. Quando nos baseamos no conhecimento extraído da mente humana para entender o Universo em Desencanto, o que conseguimos é no mínimo uma bela dor de cabeça ou grandes confusões. Comparações e ilustrações é o máximo que podemos fazer com aquilo que já conhecíamos. Agora, querer se basear no feito para explicar a causa, não deve e não pode. Primeiro vamos conhecer a causa e a origem para depois entender o feito. Os corpos de energia que acompanharam a deformação para darem a causa do Animal Racional, que é o micróbio Racional, foram gerados no princípio por essas duas energias ou corporações que é a energia dos Racionais se extinguindo na Goma e na Resina, duas corporações a exemplo do que acontece com um pai e uma mãe na geração de um embrião. O Pai, as virtudes dos habitantes reunidas no foco de luz, e a mãe, a parte da Planície. Hoje, os corpos de energia que dão a causa às sementes geradoras dos seres de origem Racional são gerados pelas sete partes do por que assim somos: Sol, Lua, Estrelas, Água, Terra, Animais e Vegetais. Estas são as sete corporações, sete partes ou sete portas de onde provém as partículas das sementes geradoras, por estarem nestas sete partes materializadas as energias corporativas dos habitantes do Mundo Racional e da Parte da Planície que não estava pronta para entrar em progresso. Logo o Corpo de Energia Racional que dá causa ao micróbio é uma corporação, corpo de ação geradora, criadora e mantenedora. Traduzindo para o popular, O Corpo de Energia Racional é a nossa verdadeira Natureza que nos dá a origem de Racional. Este Corpo de Energia Racional, ou corporação, substitui com toda a base e toda a lógica e com perfeito esclarecimento, o que os antigos da fase do pensamento chamavam de espírito que encarnava para dar causa ao ser humano na matéria. Muito ainda temos para compreender e para estudar. Estas são nossas primeiras noções de como a verdadeira vida dos corpos dos Habitantes do Mundo Racional se transformaram nos corpos de todos os seres animados a se conhecerem, seres de origem Racional animados a se conhecerem. Somente poderíamos ter esta noção do antes de ser tudo isto, pelo esclarecimento Racional feito pelo Racional Superior, que é um Habitante do Mundo Superior ao Mundo espiritual, já que Ele nos mostra que os espíritos, os chamados espíritos não encarnados, também são feitos da mesma origem, porém dentro de um contexto diferente do nosso. Com esta informação, tornou-se um absurdo considerar que os espíritos pudessem encarnar nos corpos de matéria. A explicação agora é outra. Vamos procurar entender. Os fatos não mudam, muda a sua análise. Vejamos agora uma ilustração feita pelo Racional Superior para nos fazer compreender melhor este assunto de corpos e corporações. (*H-011 p-35) “Por exemplo, findou-se o seu corpo, se transforma em outro corpo de vida diferente. Qual é o outro corpo de vida diferente? Em micróbios, que começam a destruir o corpo. Depois não tem mais coisa nenhuma para destruir, esses micróbios (estão) no fim. Esse corpo de vida, deles, se transforma em quê? Em vírus visível. Depois esses vírus visíveis se transformam em quê? Em vírus invisíveis. Depois esses vírus invisíveis se transformam em quê? Em energia geradora, para gerar novos corpos de vida de matéria em classes inferiores”. Perceberam que os micróbios são referidos como um novo corpo de vida, assim como os vírus visíveis e invisíveis, um novo corpo, ou podemos falar corporação? Um corpo se transformando em outro corpo, ou se preferirem uma corporação se transformando em outra corporação. Assim como tem um corpo docente e um corpo discente dentro de uma escola. Assim é o nosso mundo, um corpo de vida que degenerou, deformou e multiplicou-se semelhante aos micróbios gerados pela transformação de um corpo de matéria na sua extinção. O livro Universo em Desencanto é a fonte segura para adquirirmos a perfeita base e lógica destes novos entendimentos. Basta ler e reler com atenção na sua própria casa, não tendo que ir a lugar algum. (*) H = Livros dos Históricos de Universo em Desencanto

Nenhum comentário: