Follow by Email

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A MORTE



(Cláudio Sampaio)

Por muito dinheiro que se tenha até hoje, ninguém nunca escapou dela.
Até a ciência com sua evolução: levando os cientistas todos dentro do caixão.
Por quê?
Não esquente sua cabeça para me responder, porque até hoje com o pensamento, o ser humano nunca pôde descobrir uma forma para se ver livre da morte.
Por quê?
Por todos viverem sem se conhecer.
E quem não se conhece não sabe viver. Para saber viver tem que se conhecer, para da morte saber se defender.
Quem não se conhece, não conhece a vida, não conhece a morte. Não conhece a vida que fez a sua vida e fez todas as vidas e fez tudo para manter tudo que fez.
E vivendo assim, sem se conhecer, não podia de forma alguma da morte nada entender. Quem se conhece sabe como viver, conhece a vida e a morte e sabe como dela se defender.
Por exemplo, a fome é uma doença e o remédio é a comida. Portanto, quando você está com a doença, você já sabe e conhece qual o remédio para curar a doença. E que se não tomar o remédio, que é a comida, você morre da doença, que é fome.

A MESMA COISA É COM A MORTE, POR QUÊ?

Porque você se conhecendo, sabe como escapar da morte.
Por quê?
Porque a morte é apenas uma ferramenta da vida, que fez a sua vida e todas as vidas e fez tudo para manter tudo que fez.
Então, a dona da morte que também é a dona da vida e de todas as vidas, usa a morte como ferramenta para levar esta máquina que é seu corpo para oficina que é o cemitério.
E lá os mecânicos vão desmontar esta máquina, para a formação de outra máquina nova.
Os mecânicos, no caso, são os micróbios desmontando o seu corpo, que vai se transformar em vírus e micro vírus visíveis e invisíveis, que são os engenheiros que vão fazer cada qual sua peça para montar a nova máquina, logo após desmontar a velha que a morte levou para oficina, por estar funcionando mal.
Saiba como é feita esta transformação de velhos para novos, com minúcias de detalhes, provados e comprovados, lendo e relendo os livros: "UNIVERSO EM DESENCANTO".

Nenhum comentário: